Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

Acordo entre São Paulo e Baviera impulsiona programa espacial

acordo-entre-sao-paulo-e-baviera-impulsiona-programa-espacial

Para comemorar os 20 anos do acordo de Cooperação entre os estados de São Paulo e da Baviera (Alemanha), o vice-governador e Secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (SDECTI),  Márcio França,  recebeu no último dia 5 de julho, a  secretária alemã para Assuntos Europeus e Relações Regionais, Beate Merk,  em um evento no Palácio dos Bandeirantes.  Merk e França assinaram, durante o encontro, um Memorando de Entendimento (MoU) para expandir a colaboração entre as partes no setor de programas espaciais.

O evento também contou com uma reunião entre representantes da Investe São Paulo e empresários da Baviera, que conheceram como funciona o apoio oferecido  pela Agência e as vantagens de se investir no Estado.

De acordo com a chefe da Assessoria Especial para Assuntos Internacionais do governo paulista Ana Paula Fava, o documento  é desenhado desde a participação do  vice-governador Márcio França na oitava edição do Regional Leaders em julho do ano passado. “Na ocasião França estreitou as relações com o governo da Baviera e fez o convite para que a secretária Merk viesse ao Brasil”, ressaltou.

O Regional Leaders também rendeu a assinatura de um protocolo de intenções entre a Invest Baviera e a Invest in Bavaria para incentivar o intercâmbio de investimentos e as relações comerciais entre as duas regiões.

Com relação ao setor espacial, Brasil e Alemanha já cooperam há aproximadamente 40 anos. De acordo com o consultor sênior do setor aeroespacial e professor do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), Carlos Rondina Mateus, praticamente toda a atividade em lançadores e veículo de sondagem realizada no Brasil está ancorada no estado de São Paulo. “Acredito que o maior benefício (com a assinatura do documento) será o apoio institucional e eventual suporte financeiro que possa se originar. Esse documento facilitará que  “parte da tecnologia ora em estudo seja transferida da Alemanha para produção no Brasil”, disse.

Duas décadas de Cooperação

Patrocinada pelo governo alemão, a comemoração dos 20 anos de Cooperação na sede do governo paulista reuniu cerca de 250 convidados, entre líderes empresariais, comunidade científica, secretários de estado e outros representantes governamentais. O primeiro documento de cooperação entre as regiões foi assinado em 31 de julho de 1997 pelo então governador Mário Covas e o ministro do Desenvolvimento Regional e do Meio Ambiente do estado Federal da Baviera Thomas Goppel.
 
O documento fortalecia ações focadas no empreendedorismo de pequenas e médias empresas, no intercâmbio de informações econômicas e de projetos de infraestrutura em múltiplas áreas, mas principalmente no meio ambiente.

Segundo Ana Paula,  foi um documento bastante inovador ou, pelo menos, alinhado com as questões ambientais que começavam a ser discutidas na época com os ODM (Objetivos de Desenvolvimento do Milênio estabelecidos pela ONU em 2000) e até mesmo com a política ambiental de Al Gore (vice-presidente dos EUA durante administração de Bill Clinton). “O acordo entre São Paulo e Baviera previa projetos de educação ambiental que melhoravam a qualidade da vida do cidadão e iniciativas que favoreciam o meio ambiente”, explicou.

Desde a assinatura do primeiro documento, São Paulo e Baviera selaram mais 9 acordos com foco nas áreas de investimentos, meio ambiente, agricultura, saneamento, energia, ciência e tecnologia. Um dos protocolos mais importantes assinados entre os estados foi estabelecido em 2001, fruto da cooperação de 1997.  Em julho daquele ano, as secretarias do Meio Ambiente dos estados de São Paulo e Baviera iniciaram um projeto de cooperação com objetivo de discutir medidas de proteção para o Aquífero Guarani, considerado um dos maiores reservatórios de água doce  subterrâneo do planeta. O Aqüífero Guarani no Brasil possui aproximadamente 37 mil km3 dos 45 mil km3 de águas totais compartilhados com Argentina, Paraguai e Uruguai. Segundo a CETESB, 80% dos municípios paulistas, cerca de 5,5 milhões de pessoas, são abastecidos por essas águas.

Fonte: Investe SP

Imprimir